Blog do site

Todo o mundo

O Ministério da Educação (MEC) lançou em abril de 2016 a "Hora do Enem", programa de TV e plataforma de estudos voltados para preparação de participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O conteúdo poderá ser acessado pelo site horadoenem.mec.gov.br.
ENEM e-Learning

Os programas na TV da "Hora do Enem" são transmitidos pela TV Escola e 40 emissoras parceiras (sobretudo educativas e comunitárias). 
Já a plataforma on-line que é a grande atração do portal "Hora do Enem", recebeu o nome de Mecflix e é um “Netflix” gratuito para que o aluno se prepare com eficácia para ter um bom desempenho na prova do ENEM, nessa plataforma o aluno tem a oportunidade de assistir às aulas e estudar para a disciplina que precisa melhorar.

A partir dos dados do aluno, o sistema do Geekie Games ajuda na montagem de um plano de estudos personalizado, auxiliando-o na realização de exercícios, simulados e em mais de 600 videoaulas.

Na semana passada o MEC disponibilizou uma consulta popular aberta na internet, pois o MEC (Ministério da Educação) na qual cogita a aplicação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em apenas um dia, e não mais dois. Também há uma pergunta sobre a possível realização da prova no computador. O questionário ficará disponível até 10 de fevereiro e a consulta pode ser acessada aqui.

Com e-Learning, o MEC pretende atingir um número ainda maior de jovens, já que virou uma espécie de vestibular nacional, pois algumas instituições já adotaram o exame como vestibular disponibilizando as vagas num sistema on-line, chamado Sisu (Sistema de Seleção Unificada). Além disso, a prova também passou a ser critério para certificação do ensino médio, uso de que deve ser descontinuado.

[ Modificado: domingo, 30 Abr 2017, 17:04 ]
 
Todo o mundo

Um LMS (Learning Management System) é projetado para resolver problemas internos com relação a treinamento de seus fornecedores, colaboradores, clientes ou parceiros - e não para causar! 

texto adaptado de Brendan Noud - Co-fundador e CEO da LearnUpon

Os 7 erros


1. Replicar o Sistema de RH

Muitos administradores decidem replicar e manter em sincronia cada informação armazenada no seu sistema de RH com o seu Learning Management System. O resultado disso, é um grande número de informações do usuário como data de nascimento, data de início na organização, endereço, número de telefone, entre outras que normalmente não são relevantes no Sistema de Gerenciamento de Aprendizado. Assim, não crie informações personalizadas de usuário, a não ser que sejam realmente necessárias para administrar inscrições e relatórios dos cursos. 


2. Fornecer conteúdo equivocado

Se o objetivo é a integração de novos colaboradores, treinamento contínuo ou compliance corporativo, os cursos criados para o LMS da sua empresa podem apoiá-los efetivamente, somente se estiver fornecendo o conteúdo certo para isso. As pessoas têm diferentes estilos de aprendizagem, por essa razão é necessário levar isso em conta juntamente com um conteúdo envolvente. Com isso, os colaboradores irão interagir melhor com o conteúdo e se manter mais tempo no e-Learning. Assim, o conteúdo deve ser dividido em pedaços menores e o mais interativo possível, além de conter formatos mistos como: vídeos, atividades, avaliações, pesquisas. 


3. Exagerar no número de administradores 

Apesar de vários LMS não limitarem o número de administradores, é recomendável manter um número pequeno, pois dessa forma você conseguirá gerenciar alterações realizadas nos cursos, exclusão num grupo ou outras ações. 


4. Integrar ferramentas de maneira errada ou incompleta

A maioria dos LMS permite maneiras fáceis de integrar ferramentas, porém se você não está tirando o máximo de proveito dessas integrações, você pode estar perdendo informações importantes. Uma integração com o Google pode fornecer informações relevantes dos usuários, com o Twitter pode permitir aos colaboradores compartilhem os cursos que concluíram e com o LinkedIn dá aos colaboradores a capacidade de incluir certificações recentes em seu perfil. . 


5. Compreender erroneamente todas as características do seu LMS 

Você deve conhecer todas as características do seu LMS ou ter um colaborador que conheça, pois caso não tenha, perderá um bom tempo buscando esse conhecimento. Além disso, com o LMS no ar, vai ser muito mais difícil conseguir colaboradores que busquem rapidamente conhecimento do e-Learning,  além de não utilizar o máximo da sua potencialidade. Assim, é fundamental que se busque especialistas para alcançar o sucesso do seu e-Learning. 


6. Fazer coisas complicadas

O objetivo de um Learning Management System é tornar o processo de aprendizagem da empresa mais fácil, mas se você exagerar nos obstáculos, perderá alunos. Seu sistema de gerenciamento de aprendizagem deve ser facilmente navegável, otimizado de maneira clara e intuitiva suficiente para todos os tipos de usuários. Assim, a dica é "menos é mais", ou seja, manter as coisas o mais simples possível. 


7. Desconsiderar o feedback

A melhor forma de fechar um ciclo de aprendizagem é tendo um feedback sobre a experiência vivenciada pelos usuários. Para isso, você pode disponibilizar uma pesquisa que consiga extrair dos usuários suas sensações sobre o Learning Management System, demostrando assim a importância deles nesse processo.

[ Modificado: quarta, 18 Jan 2017, 11:37 ]
 
Todo o mundo

A guerra entre as gigantes, agora está sendo travada nas salas de aula. Nos últimos meses a Apple lançou um aplicativo para iPad para auxiliar em sala de aula depois de ter realizado melhorias no iTunes U; a Microsoft aumentou a eficiência do Office 365 Education; o Google inseriu novos recursos para fornecer APIs para o Google Classroom que suporta atribuição do fluxo de trabalho e classificação e a Amazon anunciou uma plataforma para permitir que os professores compartilhem recursos educacionais abertos. 

Assim, é estimulante ver essas empresas de tecnologia oferecendo soluções para educação. Na tabela abaixo, é possível observar alguns dados sobre o número de instituições que usam esses produtos.

Tabela

Apesar das preocupações com a privacidade, pouco mais da metade das instituições com mais de 700 alunos estão ​​nos últimos anos utilizando mais softwares de produtividade do Google e da Microsoft, particularmente porque os serviços de e-mail foram terceirizados para a nuvem. Porém, mais de 375 instituições parecem ainda usar serviço de e-mail separado para professores e funcionários, talvez por questões de privacidade ou de propriedade intelectual. 

Uma dúzia de universidades utilizam tanto o Google Apps como o Microsoft Office 365 para Educação, além de outras instituições estarem optando cada vez mais entre essas duas soluções.

O Google Classroom parece ter sofrido uma queda, pois 9 instituições estão utilizam ativamente o serviço para uso geral, apesar de alguns professores compartilharem links em determinadas salas de aula, o que pode indicar uma maior aceitação dessas tecnologias por parte das comunidades, ao contrário de outras instituições. Também é estimulante ver iTunes U sendo usado por quase 500 instituições. 

Curiosamente, 78% das instituições que utilizam o Google Classroom usam também o iTunes U - em comparação com apenas 14,8% da população geral - demonstrando que certas instituições possuiem perfis mais favoráveis ​​às práticas de tecnologia inovadora. 

A melhor parte dessa descoberta, é que tudo isso pode significar uma forte tendência dessas empresas entrarem nesse mercado.


Texto original, clique aqui.


[ Modificado: quarta, 11 Jan 2017, 18:47 ]
 
businesseducation
por Business Education - segunda, 2 Jan 2017, 16:21
Todo o mundo

Imagine que você seja o responsável pelo setor de treinamento numa grande empresa e, em uma bela e ensolarada tarde de sexta-feira, o seu gerente aparece na sua porta, com o seguinte pedido: “Estamos lançando um novo produto no mercado e temos que treinar todos os nossos vendedores sobre as características, performance, atributos e utilização desse novo produto no prazo de dez dias”. Para tornar a coisa mais divertida, a sede da sua empresa é em São Paulo e ela tem alguns milhares de vendedores dispersos do Oiapoque ao Chuí. Além disso, seu orçamento para viagens e despesas com instrutores “está quase zerada” e o pessoal de Finanças acha um absurdo interromper o fluxo de receita proveniente das vendas só para os vendedores assistirem cursos em São Paulo.

É nesse momento que você se lembra da importância do e-learning, pois é por meio dessa solução que a empresa será capaz de agregar conhecimento aos colaboradores de forma extremamente rápida, eficiente e de baixo custo.

lms

[ Modificado: domingo, 30 Abr 2017, 18:06 ]